arquivo vivo

| HOME  | CADERNO F | REGIÃO  | EXTRA | OPINIÃO| IDÉIAS | TURISMO | O JORNAL | ARQUIVO| PROJETOS | ANÚNCIOS | SISTEMA

 


MEMÓRIA
Nilson Patriota, um homem que honrou o RN
Ele foi toda a vida um apaixonado pela sua Touros querida

Nilson Patriota em discurso na Academia Norte-Rio-Grandense de LetrasPor: Marcos Feitosa // Roberto Patriota
folha.domatogrande@globo.com

Filho de Nelson Ferreira Patriota e Maria Segunda Patriota, Antônio Nilson Patriota nasceu na então Vila de Touros - RN, no dia 16 de dezembro de 1930. O pai, pequeno comerciante, era boêmio, tocava violão e cantava modinhas, poesias de Castro Alves, Ferreira Itajubá, Auta de Souza, Lourival Açucena e muitos outros poetas contemplados com a popularidade e que tiveram seus versos musicados por compositores vários. A mãe exercia os afazeres domésticos do lar. No mesmo ano do nascimento de Nilson, seu pai perdeu no mar uma grande embarcação carregada de mercadorias adquiridas em Natal para o seu armazém, inclusive muito querosene. Como a mercadoria não estava segurada, e sendo o prejuízo muito grande, Seu Nelson ficou sem capital. Conseguiu, porém, salvar a casa de morada e uma fazenda localizada perto da Serra Verde, na região do Mato Grande, denominada Jurema. Nesta fazenda, o menino viveu algum tempo, dali saindo para a companhia da irmã mais velha, Waldemira, já então casada com seu tio, o poeta Luís Patriota, residente em Santa Cruz do Inharé na região Seridó, onde era, advogando em todo o sertão, e principalmente guarda-livros (contador), dos Ferreira de Souza. Prosseguindo nos estudos, iniciados com o próprio pai, que era homem letrado, para o tempo e o meio em que viveu, Nilson cursou o Primário no Grupo Escolar Quintino Bocaiúva, de Santa Cruz, sempre sob os cuidados da irmã mais velha, em vista das dificuldades financeiras por que passavam seus pais.

MUDANÇA PARA NATAL

Em 1940, com apenas 9 anos, acompanhando de sua irmã Waldemira, que foi residir em Natal, Nilson fez o curso técnico da Escola de Aprendizes Artífices (atual Escola Técnica Federal) e buscou meios de vida. Empregou-se na iniciativa privada, ocupando pequenos empregos. Em 1949, ingressou no Exército, como soldado, para cumprir o serviço militar, tendo ali passado onze meses. Concluindo seu tempo de serviço militar, voltou à iniciativa privada, onde permaneceu trabalhando até 1951.O ano de 1952 assinalou dois fatos de importância em sua vida: começou a publicar, no Suplemento Literário do Diário de Natal, os seus primeiros trabalhos, ensaios e contos, e, por indicação do jornalista Rivaldo Pinheiro, correspondente da Asapress, agência jornalística, com sede em Santiago, Chile, que distribuía notícias para, praticamente, todos os grandes jornais da América Latina, tendo como Diretor-Presidente o grande jornalista Paulo Labrador. Enquanto o jornalista firmava-se em sua carreira, ia nascendo o escritor.

NA IMPRENSA OFICIAL

No mesmo ano, devido aos contatos quase diários que era obrigado a manter com o Governador do Estado, Dr. Sylvio Piza Pedroza, ganhou a simpatia deste, sendo por ele nomeado para o cargo de redator do jornal oficial A República, em que permaneceu até 1958, quando foi distinguido com a nomeação para o Fisco Estadual, como fiscal de rendas, por seu amigo e protetor Dinarte de Medeiros Mariz, com o qual já trabalhava desde 1954, ocupando uma função na Diretoria da Rádio Nordeste de Natal, um empreendimento moderno e voltado para o aprimoramento da radiofonia e a política.

NA RÁDIO NORDESTE

Fazendo parte da equipe fundadora da Rádio Nordeste de Natal, Nilson Patriota destacou-se por sua inteligência, dinamismo e alto espírito público e empreendedor. Na referida emissora de radiodifusão fez de tudo, de produtor a diretor, de publicitário a rádio-repórter. Terminou por assumir a direção da rádio, aonde trabalhou durante dez anos.

O DEPUTADO COMBATIVO

Sua atuação na Rádio Nordeste, e em seguida no Correio do Povo, jornal pertencente ao Senador Dinarte de Medeiros Mariz, lançou nos negócios e na política. Em 1962, com apenas um programa radiofônico de cinco minutos (A Crônica da Tarde), levado ao ar, de segunda a sábado, ao meio dia, tornou-se uma espécie de celebridade radiofônica em todo o Estado. Em 1963 chegaria à Assembléia Legislativa, onde passou a se destacar na condição de parlamentar combativo e bastante festejado pelos órgãos de imprensa, que o tiveram na conta de deputado sério e atuante, bastante promissor para os tempos ásperos e bicudos de então, quando a política esteve extremamente radicalizada pelas facções políticas lideradas pelos Srs. Dinarte de Medeiros Mariz, Aluízio Alves e Theodorico Bezerra.

Em 1966, atendendo a apelo de Dinarte Mariz, que não pretendia ver a legenda do MDB passar às mãos de seus adversários políticos no Estado, Nilson Patriota, juntamente com Odilon Ribeiro Coutinho, o Deputado Estadual Carvalho Neto, o jornalista Eugênio Neto e outros, disputaram as eleições de 1966 pelo referido partido. Grande parte dos eleitores de Nilson Patriota, não aceitando a sua nova posição política, que parecia contrária aos interesses da corrente liderada pelo Senador Dinarte Mariz, a ARENA, omitiu-se de acompanhá-lo em sua luta. O resultado é que Nilson Patriota, que parecia ser favorito entre os que disputavam as eleições pela legenda do MDB, não logrou eleger-se. Ficando na segunda suplência de Deputado Estadual, num partido que havia elegido uma pequena bancada, perdera a vez de se manter como parlamentar ativo.

NA GRANDE IMPRENSA E COMÉRCIO

Em 1967, o jornalista Rômulo Maiorana, amigo de Nilson Patriota, diretor e proprietário do grupo de comunicação que edita o jornal O Liberal, importante órgão de imprensa de Belém do Pará, convidou-o a fazer parte de sua equipe. Em Belém do Pará, Nilson Patriota destacou-se por seu eficiente trabalho como publicitário e jornalista. Em fins de 1968, ele já estava residindo em Belém do Pará, integrado à vida do jornal e da cidade, quando um grave acidente automobilístico, envolvendo membros de sua família, principalmente sua esposa, obrigou-o a fazer mudanças em seus planos. Diante da gravidade do estado de saúde de sua esposa, seriamente prejudicada pelo acidente, o jornalista regressou a Natal onde, através da ajuda de um irmão, de quem se tornaria sócio, instalou uma firma comercial e passou a negociar com medicamentos. A empresa, fundada no início de 1969 com a denominação de Drogaria Globo, ficou em suas mãos até 1978, quando transferiu sua parte para seu irmão João Patriota, este, sim, empresário, comerciante, que a transformou no que atualmente é uma das maiores redes de farmácias do Rio Grande do Norte.

DE VOLTA A VELHA CASA

No início de 1978, por indicação do amigo Júlio Rosado, foi convidado pelo Governador Tarcísio Maia para dirigir o jornal A República, substituindo o jornalista Marcos Aurélio de Sá, o qual se empenhava a fundo, juntamente com outro jornalista, Marcelo Fernandes, a desenvolver a revista RN Econômico. No mesmo ano, Nilson Patriota assume a direção da Companhia Editora do Rio Grande do Norte - CERN, ali efetuando uma série de modificações. Acumula também o cargo de Secretário de Imprensa do Governo do Estado. Em 1982, ainda no Governo Lavoisier Maia, uma série de intrigas políticas, supostamente articuladas nas redações dos jornais concorrentes, mas orientadas, efetivamente, por elementos de dentro do próprio sistema governamental, desestimularam-no a continuar à frente d’A República e da CERN.

O POLÍTICO DEDICADO A SUA TERRA

Durante o período em que foi Secretário do Governo Lavoisier Maia, Nilson Patriota conseguiu concretizar um sonho dos tempos de deputado. Em plena inauguração da então agência do Banco do Estado do Rio Grande do Norte - Bandern, em Touros o então governador Lavoisier Maia anunciou em seu discurso que estaria iniciando o asfaltamento da estrada RN - 064, ligando Natal a Touros por insistência do secretário Nilson Patriota. Lavoisier falou assim: "Ou eu faço essa estrada, ou não tenho mais sossego, todo santo dia Nilson Patriota bate na porta do meu gabinete pedindo essa obra". A RN-064, foi a primeira via asfáltica da região, devidamente inaugurada em dezembro 1982. Foi durante quase vinte anos a única ligação entre Touros e a capital do Estado.

Além do asfaltamento da importante estrada, Natal - Touros, que gerou muito desenvolvimento, Nilson Patriota conseguiu através do Governo do Estado, vários outros benefícios para seu município. Dezenas de distritos que ainda não tinham energia elétrica foram beneficiados pela eletrificação, através do seu empenho e dedicação. Entre as iniciativas que ajudou a trazer para Touros, foi a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais - APAE, a que mais se orgulhava. Junto com dona Celina Tinoco Cabral, Nilson Patriota concretizou o sonho de assistir as crianças carentes e deficientes da sua terra natal. Nilson também foi responsável junto com Dr. Orlando Flávio Junqueira Ayres, pela inclusão do ensino de segundo grau no município de Touros, assim como diversas perfurações de poços, cortes terras na zona rural do município e tantas outros benefícios que transformaram o município de Touros nas décadas de 70/80.

O ESCRITOR ACADÊMICO

Entre os anos de 1978 e 1982, Nilson Patriota publicou duas obras literárias com repercussão no Estado e fora dele: o livro de crônicas Vôo de Pássaro (impresso pela Companhia Editora do Rio Grande do Norte) e a obra Itajubá Esquecido ( editado pela Fundação José Augusto - Natal - RN - com apoio do MEC-FUNARTE), escrita em 1977, como homenagem ao centenário do poeta. Em 1983, em pleno ostracismo político, decorrente de seu posicionamento franco e corajoso perante os que tentavam injustamente detratá-lo dentro do Governo, Nilson Patriota candidata-se à Academia Norte-Rio-Grandense de Letras, visando eleger-se para a cadeira nº 7 (cuja patrona é a historiadora Isabel Gondim), vaga naquela ocasião com o súbito desaparecimento do saudoso jornalista e escritor Walter Wanderley. É ainda hoje o único filho da sua terra e da região do Mato Grande a ter galgado uma cadeira na Academia Norte-Rio-Grandense de Letras.

AMOR A SUA TOUROS

Os anos que se seguiram foram dedicados por Nilson Patriota aos empreendimentos privados, principalmente em Touros, sua terra natal, onde ele possui imóveis urbanos e rurais. Enviuvando em dezembro de 1984, Nilson Patriota passou a viver a maior parte do tempo em Touros, de onde só saía para ir a Natal ou excursionar dentro e fora do país. Em 1999, o escritor casa-se em segundas núpcias com Maria Emília Wanderley e volta a residir em Natal. Os contatos com a cidade de Touros tornam-se menos freqüentes, porém não menos apertados e afetivos.

Nilson Patriota é pai de cinco filhos. Os jornalistas Roberto e Ricardo, fundadores da Folha do Mato Grande e rádio FM Mato Grande e as professoras Maria do Socorro, divorciada, residente em Natal, Andréia, casada com o advogado Jorge Freire de Andrade, residente em Natal. e, a empresária Luciana, casada com o também empresário Michael Bamberger, reside e trabalha em Bad Kreuznach, Alemanha.

ATIVIDADE ACADÊMICA

Primeiro Secretário da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras, Presidente do Conselho Estadual de Cultura, membro da Academia de História do Amazonas e da Academia de Letras e Artes do Nordeste, com sede no Recife - PE -, Nilson Patriota não dispõe de muito tempo para se dedicar, como gostaria, a atividade literária. Mesmo assim continua colaborando na imprensa, embora esporadicamente, tendo concluído dois livros. Um deles é uma homenagem à sua cidade ou mais propriamente à sua região - o litoral norte do Estado - e tem o título de Touros, Uma Cidade do Brasil. Nesta obra o escritor aborda os quase quinhentos anos de história da região de Touros, pormenorizando cada fase do seu desenvolvimento. A obra, de 400 páginas, acha-se prefaciada pelo historiador Olavo de Medeiros Filho, tem orelhas do historiador Enélio de Lima Petrovich, e foi publicada, em 2000.

OBRAS COM AMOR A TERRA

Uma outra obra de Nilson Patriota, também publicada no ano 2000, é o livro de contos Uma Canção ao Entardecer, obra bastante elogiada pela crítica especializada. Há um novo livro de Nilson Patriota em andamento. Trata-se do romance A Esperança de Viver, que promete ser ainda melhor que o clássico Um Gosto Amargo de Fim, publicado em 1986, pela Fundação José Augusto, e considerado livro definitivo, pela crítica. Nilson Patriota viveu a vida toda preocupado com a pesquisa histórica, geográfica, econômica e social do Rio Grande do Norte, e particularmente de Touros. Um dos seus livro, "Touros, uma Cidade do Brasil" é considerado pela crítica literária como uma das mais completas obras do Estado sobre a vida sócio, econômica e cultural de uma região, é na verdade um amplo tratado cultural de imensa importância não só para o município de Touros, mas para toda a região do Mato Grande ali historiada. Nilson Patriota veio a falecer em decorrência de problemas de saúde no dia 30 de março de 2008.

LIVROS PUBLICADOS:

Nilson Patriota e seu livro "Noturno de Touros"Vôo de Pássaro (crônicas) - Companhia Editora do Rio Grande do Norte;
Itajubá Esquecido (ensaio biográfico) - Fundação José Augusto - 1981;
Um Gosto Amargo de Fim - (romance) - Fundação José Augusto - 1986 e Departamento Estadual de Imprensa - 2000,
Uma Canção ao Entardecer - (contos) Coleção Mossoroense - Mossoró - RN - 2000, e Departamento Estadual de Imprensa - RN - 2003,
Touros - uma Cidade do Brasil - “Departamento Estadual de Imprensa” Natal - RN - 2000.
Noturno de Touros - (Poesias) - Departamento Estadual de Imprensa - Natal - RN - 2006.
“O Noturno de Touros”, editado pelo Sebo Vermelho em 2006
“Retrato de Ferreira Itajubá”, Editado pelo Sebo Vermelho em 2006.

OBRAS INÉDITAS:

Passeio na Serra Verde (ensaios)
O Vento Fascinante (contos)

  ARQUIVO VIVO PARTE 16 

 

 


Sistema Integrado de ComunicaçãoConheça a Folha do Mato Grande

Expediente | Departamento Comercial | Arquivo Vivo | Classificados | Sistema Integrado | Fale Conosco
© Copyright. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução parcial ou total do conteúdo desta página sem a prévia autorização da nossa direção. // Designe Criativa